Determinação do pH

Os pulmões e os rins são os principais reguladores do equilíbrio ácido-básico do organismo. A determinação do pH urinário é importante por ajudar a detectar possíveis distúrbios eletrolíticos sistêmicos de origem metabólica ou respiratória, também pode indicar algum distúrbio resultante da incapacidade renal de produzir ou reabsorver ácidos ou bases. 
No indivíduo saudável, o pH urinário pode variar de 4,5 a 8. A urina ácida pode ser produzida por uma dieta rica em proteína de carne, em algumas frutas e no diabetes melito mal controlada (acidose). Urina alcalina pode ser consequente de uma dieta rica em certas frutas e vegetais, especialmente as frutas cítricas, em períodos pós-prandial, em uso medicamentos alcalinizantes e em pacientes com infecção no trato urinário. 
Valores aumentados de pH podem ser indicativos de bacteriúria, insuficiência renal crônica, alcalose metabólica, obstrução pilórica, alcalose respiratória, acidose tubular renal, acidose respiratória, infecção do trato urinário. Valores diminuídos indicam alcaptonúria, desidratação, diabetes mellitus, diarréia, acidose metabólica e fenilcetonúria.

A determinação do pH nas fezes está diretamente relacionada com o tipo de dieta alimentar. Dietas ricas em carboidratos tornam as fezes mais ácidas, pois atuam fazendo a fermentação, enquanto dietas com muita proteína tonam as fezes alcalinas. Valores diminuídos podem ser indicativos de insuficiência biliar, dispepsias fermentativas e putrefativas, diarreia por deficiência de dissacaridases, fermentação bacteriana aumentando o nível de ácido lático, distúrbios de carboidratos e digestão dos açucares e gorduras. O Amoníaco é desprendido nos processos de putrefação o que configura uma base de excreção. Portanto, predominando a fermentação, pH será ácido e, no predomínio do processo de putrefação, o pH será alcalino. Valores de pH fecal < 5,6 sugerem má absorção de carboidratos, sendo úteis para esclarecer casos de diarreia osmótica.

  • Material:

    Urina amostra isolada

  • Preparo:

    - De preferência a 1ª urina da manhã ou com retenção urinária de no mínimo 2 horas.
    - Fazer uma higienização na região, com água e sabonete. Enxaguar e secar.
    - Desprezar o 1º jato de urina e sem interromper o jato (sem fazer pausa), colher o jato do meio no frasco estéril (aproximadamente metade do frasco) e desprezar o final.
    - Fechar o frasco imediatamente e encaminhar ao laboratório em até 40 minutos (em temperatura ambiente) ou até 2 horas (refrigerado em uma caixa de isopor com gelo, por exemplo).

  • Material:

    Fezes

  • Preparo:

    - O paciente deve coletar as fezes no frasco estéril, sem uso de laxantes.
    - Encaminhar ao laboratório em ate 40 minutos (em temperatura ambiente) ou até 12 horas (refrigerado em uma caixa de isopor com gelo, por exemplo).

Código CBHPM: 40312135

Resultados